Belo Horizonte / MG - quarta-feira, 24 de maio de 2017

Psiquiatra infantil Marcio Candiani Belo Horizonte

Psiquiatra Infantil Belo Horizonte


Márcio Candiani é Psiquiatra da Infância e Adolescência, também chamado de "Psiquiatra Infantil em Belo Horizonte"

 

Mais Informações em:

 

 

http://sites.google.com/site/marciocandiani/

 


Campo de Atuação do Psiquiatra da Infância e Adolescência


PSIQUIATRIA DA INFÂNCIA NO


BRASIL

 

Apesar da Pediatria  ser considerada especialidade médica há mais de três séculos, ainda hoje se pensa a criança como um “adulto em miniatura.”

 

Veja mais em http://psiquiatrainfantilbh.wordpress.com/

 

A palavra Infante tem origem em in-fantis (aquel e que não fala).

 

Por todo o século XIX  as doenças psiquiátricas de crianças eram misturadas às doenças neuropediátricas, todas dentro da especialidade médica Pediatria, e a instituição de maior importância o hospicio.

A Psiquiatria da Infância é diretamente associada ao retardo mental, como pode ser concretamente demonstraedo pela construção de uma escola especializada junto ao Hospital Juliano Moreira, em Salvador no ano de  1874.

 

Sancte de Sactis, no século XX descreve a demência precocíssima baseada no modelo de demência precoce (esquizofrenia atual), seguida pelas descrições das demÊncia de Heller (hebefrenia) e de Kramer (autismo).

 

O início do século  XX caracterizou-se pelos distúrbios de conduta, quadros demenciais e delinqueinciais, mostrando grande influencia da Medicina legal e teoria da degeneração, de Lombroso.

O tratamento era moral, mental e manual, além de meios físicos como água (sedativo em banhos de imersão a 36 graus). Brometos era usados nas epilepsias, assim como o láudamo e a morfina.

 

Foram  utilizadas em crianças, também a insulinoterapia e a convulsoterapia.

 

Após 1940, com Stanilsau Krynski, influenciado pela psiquiatria francesa (referenciais psicodiâmicos e psicanalíticos), há uma mudança do modo de tratamento em psiquiatria de crianças.

Em 1950 surgem os primeiros psicofármacos (medicamentos de ação no cérebro para tratar alterações do comportamento), como a clorpromazina, em 1960 os antidepressivos.

O tratamento psicanalítico ganha muita importância.

 

Com o advento da Antipsiquiatria, nos anos 60, foi fundada a primeira comundade Terapeutica, Leo Kanner, em Porto Alegre.

 

Desta forma, segundao Assumpção, a psiquiatria da infância veio perdendo cada vez  mais sua identidade médica.

 

Os anos 70 trazem uma nova mudançaç de paradigma, com influência norte-americana, com a invasão de um modelo de pensamento pragmático, classificatório , com uso de antipsicóticos típicos e antidepressivos mais moderno (e de alto custo).

Vem junto a terapia de base cognitivo-comportamental.

 

Há uma excessiva Neurologização da Psiquiatria infantil nos últimos anos, assim como houve uma excessiva psicologização da mesma há alguns anos.

 

FORMAÇÃO DE UM PSIQUIATRA DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

Um psiquiatra da infância e adolescência deve, após fazer 6 anos de medicina, fazer uma residência (especialização) em Psiquiatria Geral que atualmente dura 3 anos, para depois fazer uma segunda especialização em Psiquiatria da Infância e Adolescência (2 anos em média) para poder atuar.

 

Deve compreender, principalmente o desenvolvimento normal de uma criança, com todas as suas fases, desde a concepção, passando pelo parto, marcos do desenvolvimento, fases do desenvolvimento, escolaridade, cognição.

Deve estar apto a fazer um

 

EXAME DO  ESTADO MENTAL

(súmula psicopatológica), onde são avaliados:

  • aparência (higiene, vestes)
  • orientação no tempo e espaço,
  • orientação autopsiquica (saber se é ele mesmo),
  • humor=estado de ânimo (deprimido, irritável, ansioso),
  • pensamento (curso, forma e conteúdo),
  • alterações da sensopercepção (alucinações visuais, auditivas),
  • alterações da volição,
  • apetite,
  • sono,
  • libido,
  • memória
  • inteligência,
  • psicomotricidade,
  • impulsividade.

Campo de atuação do Psiquiatra da Infância e adolescência:

Hiperatividade (TDAH)

 

Transtornos mentais Orgânicos  – secundários a traumas ou doenças orgânicas

 

Transtornos induzidos por uso de substâncias (drogas ilegais- dependência química)

 

Esquizofrenia, Psicoses esquizoafetivas, transtornos esquizofreniformes

 

Transtornos do Humor

  • Depressao
  • Distimia
  • Ciclotiimia
  • Transtorno Bipolar (Antiga Psicose Maníaco depressiva)

Transtornos de Ansiedade

  • Tiques e transtornos do Impulso (inclusive Tourette)
  • Transtorno de Ansiedade
  • Fobias
  • Pânico (com e sem agorafobia)
  • Transtorno Obsessivo Compulsivo
  • Histeria, transtornos conversivos e dissociativos
  • Transtornos Somatoformes

Transtornos alimentares (bulimia, anorexia, compulsão alimentar)

 

Depressao e psicoses puerperais

 

Transtorno disforico pre-menstrual

 

Personalidade mórbida (diagnóstico de transtornos de personalidade apenas após 18anos)

 

Oligofrenias (baixo quociente intelectual

 

·         Retardo mental leve,

·         moderado e

·         grave):

 

Transtornos de Linguagem

 

Transtornos Invasivos do Desenvolvimento    (TID)

  • Autismo
  • Asperger

TDAH – Transtorno do Déficit de Atenção (com) ou sem Hiperatividade

 

Transtonrno de Conduta

 

Enurese e Encoprese

Transtorno do descontrole de impulsos

 

Epilepsia –co-morbidade bastante comum

 

Agressividade

  • Auto-mutilação (autismo, retardo mental e outros) – auto-agressao
  • Hetero-agressao

Transtornos do sono

 

BIBLIOGRAFIA

 

1) AJURIAGUERRA, Manual de Psiquiatria Infantil, Ed. Masson, 1983.

 

2) ASSUMPÇÃO, F. Tratado de Psiquiatria da Infância e Adolescência. São Paulo: Atheneu, 2003.

 

3) LEWIS, Child and Adolescent Pshychiatry, 3a ediçao.

4) www.googleimages.com