Belo Horizonte / MG - sábado, 24 de junho de 2017

Ecstasy - a falsa pílula do amor

A metilenodioximetanfetamina (MDMA), XTC, ADAM, MDM, pílula do amor[1]

 

mais conhecida por ecstasy, é uma droga moderna sintetizada (feita em laboratório),

 

 

É uma droga  neurotóxica, cujo efeito na fisiologia humana é a diminuição da reabsorção da serotonina, dopamina e noradrenalina no cérebro, onde estas substâncias ficarão em maior contato entre as sinapses, causando euforia, sensação de bem-estar, alterações da percepção sensorial do consumidor e grande perda de líquidos, pertencente a família das anfetaminas.

 

As alterações ao nível do tato promovem o contacto físico, embora não tenha propriedades afrodisíacas, como se pensa, apenas aumenta o desejo incapacitando as condições fisiológicas para o ato sexual do indivíduo.[2]

 

O ecstasy ganhou notoriedade e perfusão com o desenvolvimento da moda tecno e das festas rave.


É vendido sob a forma de comprimidos e ocasionalmente em cápsulas. A dose de MDMA cada comprimido consumida é variável, podendo chegar de poucas miligramas a mais 200 mg, muitas vezes misturadas a cafeína, amido, detergentes e outras drogas.[2]

 

História


O registo da patente do MDMA foi pedido a 24 de Dezembro de 1912 pela empresa farmacêutica Merck, após ter sido sintetizada para a empresa, pelo químico alemão Anton Köllisch em Darmstadt nesse mesmo ano. [3][4]

 

Foi desenvolvido inicialmente para militares, pois combatia o sono e a fome. A patente foi aceita em 1914, e quando Anton Köllisch morreu em 1916, este ainda não sabia do impacto que o MDMA teria.


Em 1960, foi redescoberto, sendo indicado como elevador do estado de ânimo, desejos sexuais e complemento nas psicoterapias. O uso recreativo surgiu em 1970 nos EUA. Em 1977, foi proibido no Reino Unido e em 1985 nos EUA.

 

O uso do ecstasy é mais frequente em festas rave, boates, e casas noturnas. Normalmente é produzido em países Europeus em laboratórios especializados.

 

Experiência


Os comprimidos geralmente rosas e batizados mediante o desenho impresso, o que permite distingui-los entre si.

Dependendo da quantidade ingerida, o MDMA demora tipicamente 30 minutos[1] a surtir efeito. Ao contrário de outros psicoactivos, o efeito do MDMA é muito rápido: muitas vezes quando o consumidor percebe que os efeitos estão a surgir, já se encontram muito próximos ao "pico". A quantidade de MDMA em cada comprimido varia, em média, entre 30 e 100 miligramas, dependendo da pureza da sua composição e da tolerância do consumidor.


A duração do efeito é de cerca de 4 a 8 horas, quando ingerido oralmente. Existe, porém, um período de tempo acrescido associado ao declínio dos efeitos primários em que o consumidor tem a percepção da persistência dos efeitos, embora não possam ser considerados a verdadeira experiência, isto é, os efeitos primários.

 

Neste período, ocorrem freqüentemente insônias (devido ao estado de agitação), coceiras, reações musculares como espasmos involuntários, espasmos do maxilar, dor de cabeça,visão turva, movimentos descontrolados de vários membros, principalmente braços e pernas quando ingerido em doses cavalares.


Durante o período de intensidade do ecstasy podem surgir circunstâncias perigosas: náuseas, desidratação, hipertermia, hiponatrémia, hipertensão. Estes sintomas são frequentemente ignorados pelo consumidor devido ao estado de despreocupação e bem-estar provocados pela droga, o que pode ocasionar exaustão, convulsões e mesmo a morte.

 

Assim, tornou-se frequente ver os consumidores em todos os tipos de festas e comemorações dotados de garrafas de água ou bebidas energéticas.

 

Quando ingerido com bebidas alcoólicas, pode ocasionar choque cardiorrespiratório, levando ao óbito. Em termos de efeitos secundários, alguns indivíduos registram períodos depressivos; outros, podem detectar a ocorrência de erupções cutâneas (espinhas) no rosto nos dias subsequentes ao uso.


Também pode acarretar perda de memória total para usuários muito freqüentes a longo prazo; Imediatamente à cessação dos efeitos primários, prevalece também a falta de apetite o que deve ser activamente combatido para repor a energia gasta durante o uso.

 


Cápsulas de MDMA

O relato de um usuário acerca dos efeitos da droga descreve inicialmente uma sensação de tontura semelhante a de embriaguez. Essa sensação é a primeira manifestação da droga.

 

Em seguida, perde-se a sensação de peso do corpo e sente-se como se estivesse flutuando.

 

A partir daí, todos ao seu redor parecem amigos e sente-se uma forte atração física por todos. Cerca de vinte minutos após a manifestação inicial, começam formigamentos que, segundo relatos, se assemelham a repetitivos espasmos por todo o corpo.

 

Os efeitos da droga ficam oscilando entre momentos com fortes efeitos e momentos em que os efeitos passam.


Dependendo da quantidade que foi ingerida, quando os efeitos passarem, o indivíduo vai se sentir desanimado, querendo "voltar para casa". Por agir no sistema nervoso central, mais especificamente no sistema serotonérgico, o humor pode tornar-se instável após o consumo da substância.


A mistura do ecstasy com outras substâncias é tão prejudical a saúde quanto o uso do crack. Atualmente a droga pode conter diversos elementos ainda mais prejudiciais além dos descritos, MDA (possui mais efeitos negativos que o MDMA), anfetaminas, Ketamina.


Referências

 

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ecstasy

  1. a b OGA, Seizi. Fundamentos de Toxicologia. São Paulo: Atheneu, 1996
  2. a b Droga e toxicodependência - O desafio de uma intervenção global
  3. Freudenmann, R.W. et al. (2006). The origin of MDMA (ecstasy) revisited: the true story reconstructed from the original documents. Addiction 101, 1241-1245. PMID 16911722 PDF (artigo em inglês)
  4. Benzenhöfer, U. and Passie, T. (2006). The early history of "Ecstasy". Nervenarzt 77, 95-99. PMID 16397805 PDF (artigo em alemão)

[editar] Ligações externas